Resenha #62: Pequena Abelha



Título: Pequena Abelha
AutoraChris Cleave
Editora: Editora Intrínseca
Nº de Páginas: 270


Não queremos lhe contar O que acontece neste livro. É realmente uma história especial e não queremos estragá-la.Ainda assim, você precisa saber algo para se interessar, por isso vamos dizer o seguinte:Essa é a história de duas mulheres cujas vidas se chocam num dia fatídico. Então, uma delas precisa tomar uma decisão terrível, daquelas que, esperamos, você nunca tenha de enfrentar. Dois anos mais tarde, elas se reencontram. E tudo começa…Depois de ler esse livro, você vai querer comentá-lo com seus amigos. Quando o fizer, por favor, não lhes diga o que acontece. O encanto está sobretudo na maneira como essa narrativa se desenrola.

Olá pessoal, tudo bom com vocês? Hoje aconteceu algo que a muito tempo não acontecia: terminar um livro e ter aquela vontade enorme de começar a escrever sobre ele logo após fechá-lo. Vocês perceberão que esta resenha terá um formato um pouco diferente do que eu costumo fazer, mas, entenderão o motivo quando chegarem ao final da mesma.

Não me entendam mal, eu realmente tenho feito excelentes leituras, mas, existem algumas que te tocam ao ponto de querer dividi-las imediatamente com o mundo. Vem aquela vontade de fazer com que todos façam aquela leitura, pois de alguma forma e em algum ponto, ela te marcou e você realmente acredita que ela poderá marcar outras pessoas também.

O livro do qual estou falando é Pequena Abelha, do autor Chris Cleave. Confesso que estou encarando meu exemplar neste exato momento, pensando na melhor forma de apresenta-lo a vocês, sem estragar a surpresa – que é um dos pontos positivos desse livro.



Onze meses atrás eu vi a Tati, do Cabine literária fazendo um link entre este livro e  um assunto que estava em alta na época. Os vídeos dela sempre despertam minha curiosidade, mas, dessa vez foi mais intenso, ao ponto de entrar em um site e comprar o livro imediatamente. Acontece que, mesmo me sentindo extremamente intrigada, com a demora na entrega, acabei deixando ele um pouco de lado, até esse feriado.

Quando terminei a leitura, me vi com a difícil – mas extremamente satisfatória – missão de apresentar este livro a vocês. Por que é tão difícil falar sobre ele? Bem, pois parte de seu encanto está na surpresa. Percebe-se isso logo pela sinopse, que não nos traz a temática do livro ou ao menos o início de sua história.

A jogada de marketing foi incrível e posso dizer que funciona. Eu mesma fui atraída por esta sinopse, me vendo intrigada por uma história que sequer conhecia.

Bem, sendo breve e tentando não soltar nenhum spoiler, o livro nos apresenta a história de duas mulheres, com realidades distintas, e que tem suas vidas marcadas em um dia fatídico. A partir dali deixam marcas uma na vida da outra, até que seus destinos se cruzem de novo.

Uma de nossas personagens é a Pequena Abelha – ou abelhinha –, uma menina de 16 anos, que passa por uma situação trágica e que ainda assim, não perde a doçura e a ingenuidade.  A forma como a personagem apresenta sua história e nos mostra tudo o que passou a forma como lida com sua realidade, faz com que tenhamos vontade de abraça-la, de dar um pouco de carinho a alguém que recebeu tão pouco da vida.

“ ... peço-lhe neste instante que faça o favor de concordar comigo que uma cicatriz nunca é feia. Isto é o que aqueles que produzem as cicatrizes querem que pensemos. Mas você e eu temos que fazer um acordo e desafiá-los. Temos de ver todas as cicatrizes como algo belo. Combinado? Este vai ser o nosso segredo. Porque, acredite em mim, uma cicatriz não se forma em um morto. Uma cicatriz significa: “Eu sobrevivi”.” (pag. 17)
Sarah, nossa outra personagem principal, é uma mulher guerreira, que se encontra um pouco perdida, mas, que possui uma sensibilidade para com o próximo que faz com que todos os seus erros sejam aceitos pelo leitor, ou ao menos compreendidos.

É sob o ponto de vista dessas duas personagens que se constrói da narrativa desta história, feita em primeira pessoa, em ordem decrescente.

Você tem o início da história com o reencontro dessas duas personagens e, ao passar das páginas, vai descobrindo o que as uniu e o que ocorreu depois do acontecimento que mudou suas vidas.

A narrativa de Chris é carregada de tristeza e doçura. Poucas vezes um autor conseguiu me deixar com um nó na garganta logo no primeiro capítulo e este o fizera logo nas primeiras páginas.

“ Daqui a pouquinho vou falar umas palavras tristes para você. Mas você deve escutá-las da mesma maneira que combinamos de ver as cicatrizes. Palavras tristes são apenas outra forma de beleza. Uma história triste quer dizer? Essa contadora de história está viva.” (pag.17)


Não posso falar sobre a história do livro, tendo em vista a necessidade de se desconhecer a obra para que se possa aproveitá-la ao máximo. Me resta dizer que, em um mundo onde existe tanta indiferença e pouco se preza valores morais, onde não se olha para o próximo para não se enxergar os problemas que existem no mundo e não ser tocado por eles, livros assim tem o poder de dar um choque de realidade no mundo.

A última vez que me senti assim com uma leitura foi com O Caçador de Pipas e bem, caso você tenha lido esta outra obra, sabe bem o porquê desta indicação de hoje.

Quanto à parte gráfica, tenho que dizer que o trabalho da Intrínseca foi impecável. A capa original fora mantida e por dentro da obra encontramos uma diagramação delicada, conforme a história pede. As folhas são amareladas e as letras em um bom tamanho, deixando a leitura ainda mais “confortável”.

Este se tornou um de meus livros favoritos da vida e espero que este possa tocá-lo ao menos um pouquinho. Chris nos apresentou uma realidade por meio da ficção que nos faz sair um pouco da “bolha” que vivemos, fazendo-nos olhar para o “próximo”, nos dando um choque de realidade. É uma leitura marcante, intensa, emocionante e extremamente bem escrita.

Bem, após esta resenha que recomenda tanto, mas, apresenta tão pouco, me despeço de vocês dizendo mais uma vez para lerem este livro. É uma obra que fora muito comentada em seu lançamento, mas, da qual não se fala muito atualmente e bem, isso não deveria acontecer com este livro. Caso você realize a leitura, recomende-a também! Não deixem de comentar! Até a próxima postagem.


10 comentários:

  1. Acho que esse livro despertou em mim, o mesmo nível de curiosidade que despertou em você quando viu sobre ele. hahahaha
    A capa dele me lembrou demais o livro "Jackaby" que, na realidade, é outro livro que eu PRECISO ler.
    Adorei a recomendação e assim que eu for na próxima livraria, com certeza ele vai entrar na minha cestinha.
    Beijos!

    Sara | Livro de Gente
    www.livrodegente.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Acho que esse livro despertou em mim, o mesmo nível de curiosidade que despertou em você quando viu sobre ele. hahahaha
    A capa dele me lembrou demais o livro "Jackaby" que, na realidade, é outro livro que eu PRECISO ler.
    Adorei a recomendação e assim que eu for na próxima livraria, com certeza ele vai entrar na minha cestinha.
    Beijos!

    Sara | Livro de Gente
    www.livrodegente.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Realmente é uma tarefa difícil recomendar o livro e manter o suspense pedido na sinopse, é uma história tristemente maravilhosa! Sua resenha cumpriu bem o papel, espero que mais pessoas leiam *_*
    Bjs

    Colaboradora:
    http://colecoes-literarias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Olá

    O livro chama atenção antes de tudo pela capa e realmente vi de relance ele em outros post, tempos atrás,mas hoje em dia não, fiquei com muita vontade de ler o livro, não li O Caçador de Pipas, por isso não sei do que você tá falando, mas quero muito descobri, adorei a resenha.

    Bjss

    ResponderExcluir
  5. Oiee.

    Primeira vez que vejo a obra e de já fiquei bem curiosa. Também já fiquei encarando livros e me perguntando como falar deles e no final acabo deixando algo de fora. Vou colocar o livro na lista e espero gostar assim como vc


    Beijos
    Amor Literário

    ResponderExcluir
  6. Essa é a terceira ou quarta resenha que leio sobre a obra, mas confesso que tinha esquecido dela… Eu já havia incluído o livro entre os que desejo ler, flor. :) Agora, com a sua resenha, volto a lembrar por que o fiz e sentir novamente aquele desejo de correr para a livraria mais próxima para adquiri-lo. Primeiro que a capa é lindíssima. E segundo que adoro um enredo um tanto dramático, inesquecível. Com certeza, quero ler e conhecer essas duas protagonistas.

    Beijos!
    Ah, convido para o novo sorteio no blog. São apenas 2 regras obrigatórias – curtir a página do autor e a página da Editora – para concorrer ao livro Colega de Quarto. ;)
    http://myqueenside.blogspot.com.br/2015/10/sorteio-colega-de-quarto.html

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Achei a sinopse do livro bem interessante e a premissa me agradou muito. Espero conseguir ler em breve.

    http://loucurasaovento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Ooi,
    Toda vez que leio uma resenha sobre esse livro fico morta de curiosidade e vontade de conhecer a trama, sua resenha não foi diferente! Quero muito ler o livro e saber mais sobre esse dia fatídico que mudou a vida dos personagens.
    Vitória Zavattieri
    Corujas de Biblioteca

    ResponderExcluir
  9. Oiee ^^
    Ainda não conhecia esse livro, mas dizer que a sua resenha me deixou curiosa é pouco. Fiquei muuito curiosa, e arrependida por já ter gastado o dinheiro que eu não tenho em livros ontem...haha' se eu tivesse visto a sua resenha antes, pode apostar que "Pequena abelha" estaria chegando para mim agora *-* Parece ser incrível ♥
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi!
    Adorei a premissa do livro e confesso que a primeira coisa que me chamou a atenção foi a capa - que linda! Não sei muito sobre a história, como a própria sinopse explica, mas já gostei! Está na minha lista de leituras!
    Beijos, Bel
    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

    ResponderExcluir